sexta-feira, 4 de abril de 2008

Pobreza e Estética- Debate


Hoje presenciei uma acalorada discursão entre duas pessoas (artistas plásticas) sobre as fotografias de Sebastião Salgado.
O tema era a beleza , o próprio fotógrafo e sua postura.
Uma, *Cremilda, falava da beleza que as fotos tinham, da emoção que elas transmitem,a denuncia, do valor estético e do quanto se agradava do trabalho fotográfico e jornalistico dele.
A outra, *Josefina falava do desprezo que tinha pela forma que ele fez fama e fortuna fotografando pessoas miseráveis sem ter um discurso de alerta (nesse caso ela não via denuncia nas fotos), nem uma intenção de ajuda para essas comunidades.
Segundo Josefina, era somente uma imagem maquiada, manipualada,fragmentada para que fosse interessante para que ele podesse comercializar pois ela não via beleza na pobreza. Acrescentou que se ela fosse ao deposito de lixo e fotografasse os catadores em seu trabalho degradante, duvidaria que alguém pagaria uma fortuna por suas fotografias em um belo livro de capa dura pois seriam imagens da pobreza não maquilada, a realidade nua e crua.
Pensei sobre isso o dia todo, afinal, gosto especialmente dos olhares que ele captou e confesso que não me atenho ao tema pobreza e sim ao resultado estético, sendo de pobres ou não gosto da expressão desses olhares.
Apreciaria muito ler a opnião de voces queridos leitores desse humilde espaço.
E voces, o que pensa disso.
Há beleza na pobreza? O que pensam da fotos de Sebastião Salgado.È ele um oportunista da pobreza? Será ele mais um que se aproveita da miséria para ficar rico?Escrevam seus pitacos!

*nomes modificados para preservar a identidade das debatedoras em questão (risos).

26 comentários:

Uma certa cecilia disse...

Um debate árduo, realmente. No meu ponto de vista, Sebastião Salgado fotografou somente a realidade. Com um olhar mais apurado que os demais porque conseguiu expressar a emoção em suas fotografias. Esse é todo diferencial.
Ganhar dinheiro em cima dos pobres? O que fazem nosso governantes? E eles sequer conseguem apresentar alguma arte nisso!
Sebastião Salgado é um artista e nem precisa de sobressalto para sua fama. Sua simplicidade é o que chama a atenção. Sendo assim, podemos dizer que o mundo ainda tem jeito, pois em sua arte, não existe facetas, está ali, a realidade humana.
Belo blog, belo tema e parabéns!

SouMusic disse...

Há beleza na pobreza?
*Diria que na pobreza não, mas na visão que o fotografo teve desta pobreza, o seu trabalho tem sua beleza sim.

*É ele um oportunista da pobreza?
Não sei. Talvez sim mas, sendo ou ñ por oportunismo acho que essas fotos tem uma função real e util.

Será ele mais um que se aproveita da miséria para ficar rico?
*Se esse for o caso é uma pena, afinal de contas é triste saber que pessoas com grande capacidade de colaborar para que haja um mundo melhor tenha uma conduta dessas.

Esse é meu pitaco.

Vlw!!!

Shaka disse...

Interresante. As pessoas muitas das vezes enxerga o que quer enxergar, vê o que quer ver, dessa forma creio que há honra no trabalho de um fotógrafo que retrata a pobreza, pois mesmo se esse nada vê em suas obras, estas podem falar muito ao coração daquele que consegue enxergar a realidade em meio a uma visão estática e fria da vivência humana...

...gostei do teu blog, tem um bom conteudo..tudo de bom e boa sorte...

abraços...

nana Lopes disse...

Hummm...
estou gostando dos argumentos!!
Pitaqueiem mais please

nanaxinha_dk disse...

muito bom o blog. brigada pelo comentario no meu

caio arroyo disse...

Na minha opiniao existe sim e muita beleza na pobreza, o nivel social de uma pessoa nao pode tirar sua beleza e nao estou falando da fisica e sim do que ela passa visualmente ,como o mestre Sebastiao sabe tirar, eu aprendi a apreciar o trabalho dele por causa do meu pai, tenho alguns livros dele, para mim é o melhor

Alexander Bastos disse...

caramba que legal este post . Eu acho que exista beleza em tudo... tudo depende do ponto de vista, e nesse caso o fotógrafo doi bem sucedido em achar o ponto certo... Agora quanto a ética de enriquecer com a pobreza, isso não se aplica aqui...


Alexander Bastos (moderador)
www.blogdospiratas.org

slim shady disse...

descordo com vc,acho Sebastião não se aproveita de ninguém não,acho que ele usa seu trabalho pra mostrar a realidade dess povo todo,e com uma belissima arte,e não pra se promover.

blog disse...

Numa boa, Nana.
Sempre achei o SS um sub-Cartier-Bresson, mas essa discussão sobre o "aproveitamento" da pobreza como elemento estético é válido.
Se ele explora a pobreza como fonte de renda a história é outra. Mas, esteticamente, não vejo qualquer mácula em explorar a imagem do desterro, da desgraça alheia e assim por diante. A literatura faz isso (Conrad, Brautigan, Jorge Amado, Fonseca, Balzac e outros). O cinema faz isso. Muitos documentaristas (eu diria a maioria, no Brasil) tratam a pobreza de forma estética.

Não considero o SS um espetacular fotógrafo, mas seu trabalho guarda certa dignidade.
Postei sobre Avedon, o fotógrafo (coincidência, não?).
Dê uma checada, quando puder.

Bjo, menina.

Pedro Ojeda Escudero. disse...

Este fotógrafo es uno de mis artistas contemporáneos favoritos.
¿Se puede hacer arte con la pobreza? El arte no tiene nada que ver con la pobreza ni con la riqueza.
Ahora bien, dado que el debate no es artístico, sino moral, pienso que el reflejo artístico de la pobreza, hecho con respeto no sólo es correcto sino necesario. De lo contrario, muchas gentes vivirían ciegas hacia la realidad más dura, que procuramos no apartar ni ver.

Naninha disse...

Slim, veja bem, não sou eu quem disse que Sebastião se aproveita, narrei uma discursão e a coloquei na mesa pra gente discutir e estou gostando muito das respostas.

Benó disse...

Há beleza na pobreza?
Aproveitei o desafio lançado para me inteirar do trabalho de Sebastião Salgado que acho, através do que me foi possível observar na investigação feita na net, excepcional.Além das suas contribuições generosas nas organizações humanitárias como a Unicef, o ACNUR, a OMS creio que todo o seu trabalho é de louvar. É chamando a atenção para o cancro humano, como a pobreza, que poderemos ajudar à sua exterminação ou pelo menos, para que haja uma sociedade mais justa.
Não poderei dizer que haja beleza no que Salgado retrata mas, no seu trabalho sim, pois creio que ele o faz com amor e onde se põe amor há sempre beleza.
No entanto convém lembrar que miséria é uma coisa, pobreza é outra.
Pode haver pobreza sem miséria e pode haver miséria sem pobreza.


Gostei do debate.
Seja Feliz!

Carlos Vin disse...

Bom questionamento hein, Nana.

A questão dessa suposta exploração da pobreza pela arte, já deveríamos estar acostumados, pois o cinema nacional se estruturou, se estrutura e possui reconhecimento aqui e lá fora, a partir somente de uma suposta exploração da pobreza nacional.

É válido mostrar uma realidade, qualquer realidade... Se ele ganha dinheiro com isso, é uma questão da consequencia do seu olhar e do seu trabalho, o mundo está aí, com as suas pobrezas e riquezas, e cada um interpreta esses mundo de uma forma

Um abraço, nana... Excelente debate!

Alex Coelho Tinôco disse...

Fotografia: a arte de escrever com a luz.

A arte é bonita? Depende da cabeça que está interpretando.

Pra que um discurso de alerta se uma imagem vale mais que mil palavras?

As fotos são imagens de protesto também.

E querendo ou não é a realidade.

Eu particularmente sou fã do trabalho do sebastião salgado.

Gostei muito do seu blog.

Está de parabéns.

Abraços.


http://promocaosite.blogspot.com/


HypeNET - Veja os vídeos mais engraçados da internet/youtube


ArcView, ArcGIS, ESRI, Gis Help,
Casa em Itacaré, World Cup In Brazil 2014 - FIFA

young vapire luke lestat news disse...

Sebastião Salgado, é um poeta da lente.
Mas, na minha opinião, acredito que na pobreza a beleza...
mas na miséria a somente o terror horripilante da ausência da dignidade da vida...


[]sa L.Sakssida

São disse...

Minha querida, evidentemente, que não existe beleza na pobreza, na degradação, no sofrimento.
Em parte concordo com Josefina: o génio é a marca do produto que se consegue vender mais: caso de Salgado. As mesmas fotos ou mais cruas ainda, mas por outra pessoa não teriam o mesmon êxito.
A questão põe-se sempre neste tipo de trabalho: Lembra aquela foto de um abutre esperando a morte de uma menina negra? O fotógrafo acabou se suicidando!!
Será que Salgado também sente esta angústia de consciência? Não sei e nem quero fazer juízos de intenção.
Parabéns pela questão levantada, amiga.
Feliz fim de semana.

Fire disse...

Olá querida!! Quanto tempo não é verdade^Perdo-em a ausencia, mas andei realmente enrolada O.o

Mas te blog continua tão lindo como antes, e pelo que posso perceber um pouco politico agora!

Está certo nossa opinião deve sempre ser expressa, mesmo que só do nosso jeitinho!

Bjos!

Caique Ribeiro disse...

não gosto dse tipo de assunto
adorei asoutras "matérias"

bjs

Cláudio Apolinário disse...

show de bola teu blog!

mickey disse...

bom ele usou a arte pra se promover ta mas nao era a intensao dele com certeza veio do acaso, tudo que eh bonito hj ou q chame a atenção sempre se torna uma renda, mesmo sem a pessoa kerer, ja q ele era tao bom em retratar a realidade, ele merece.


ta blz

ai comenta lah depois ta

DAN disse...

Eu acho que Sebastião Salgado não se aproveita, mas, utilizando-se de imagens muito fortes, dando um grande toque artístico por enquadramentos e nfoques fora d série, critica e conseguindo grande repercussão através da qualidade.

http://pontodcom.blogspot.com/

Carol Barcellos disse...

Estou mais pro lado da Josefina. Não vou julgar o Sebastião, não sei quais as motivações dele, mas tb não consigo enxergar nada de belo na pobreza. Até na natureza morta, na tristeza, nos olhos com lágrimas enxergo beleza, mas na pobreza, não. Um quadro desse na sala de alguém causaria admiração ou impotência diante do fato?

Beijinhos doces cristalizados!!! :o*

Henrique Felippe disse...

Oi moça querida...
Não conhecia Sebatião e, observei apenas o link que deixaste.
Existe um fator que ainda não li nos posts anteriores. o enfoque nas fotografias em P&B, o que na minha opinião promove uma interpretação da cor com a luz do sol, o que num primeiro momento insere os personagens na paisagem e não o contrário e, neste caso, podendo ser um trabalho cruel, porém poético. Esse tipo de trabalho na minha opinião tem o interesse de envolver o visitante numa vida ao mesmo tempo tão distante e tão perto de nós. Uma espécie de contraponto da vida exposta com a vida real que vivemos...
Agora, é uma fotografia honesta e delicada, pois sinceramente, penso que este fotógrafo deseja que busquemos uma identidade e nosso próprio rosto nessas pessoas...

Um beijo e maravilhoso domingo,
Henrique
Vai Vendo...

Gabriele de Almeida disse...

Creio que existe a beleza em tudo, o problema é que as pessoas não enxergam, devido aos padrões de beleza impostos pela mídia. Deveríamos deixar de ser tão cegos e ver as coisas como elas são.

Obrigada pelo comentário, volte sempre lá, viu? E sabe que eu nem conhecia esse trecho do Tim Maia? Gostei bastante :)

Edson Marques disse...

Nana,

Sou fotógrafo e gosto muito da Arte do Sebastião Salgado.

Você sabe, ele começou como Economista numa das agências da ONU. Ainda que eu seja marxista e sempre tenha me ocupado com as questões sociais, não vejo necessidade de todo artista fazer de sua arte um panfleto.

E a arte dele é belíssima.

A questão é estética, antes de ser política (e nesse caso que me perdoe o Brecht!).

Abraços, flores, estrelas..

Larissa Bohnenberger disse...

Eu, sinceramente, não vejo beleza na pobreza. Mas como você mesma falou, Sebastião Salgado é um artista, pois consegue transformar a pobreza em algo mais importante. Vendo as fotografias tiradas por ele, enxergamos, expressão, seja por um olhar, por um gesto... a pobreza~passa a não ser mais a primeira coisa que se enxerga. Torna-se secundária.