quarta-feira, 12 de março de 2008

"Última flor do Lácio, inculta e bela,..." OIavo Bilac


Olavo Bilac em seu poema Flor do Lácio ( Lazio é a região da Itália onde fica Roma, o berço das línguas latinas) refere-se a nossa língua "Última flor do Lácio, inculta e bela..."
Ele usou essa expressão porque a língua portuguesa é caçulinha das linguas latinas e também por ser muito maltrata por seus usuários tanto de forma verbal quanto escrita .
Apesar da língua portuguesa ser utilizada de forma deficiente, muitas vezes ignorada as regras gramaticais básicas, isso jamais a desmerece em sua beleza linguística e lirismo .
A língua portuguesa tem suas nuances ,regras e é uma língua complexa como toda língua de origem latina.
Esta semana estou adoentada e fiquei impossibilitada de atualizar o blog.
Peço desculpas a quem esteve por aqui e não encontrou novidades.
Eu estava com saudades de voces (risos).
Mas voltando a nossa ultima flor do Lácio,pensei em citar algo muito freqüente em nosso cotidiano linguistico: A Tautologia
Você sabe o que é tautologia?
É o termo usado para definir um dos vícios de linguagem.
Consiste na repetição de uma idéia, de maneira viciada, com palavras diferentes, mas com o mesmo sentido.
O exemplo clássico é o famoso 'subir para cima' ou o 'descer para baixo'.
Mas há outros, como você pode ver na lista a seguir:
- elo de ligação
- acabamento final
- certeza absoluta
- quantia exata
- nos dias 8, 9 e 10, inclusive
- juntamente com
- expressamente proibido
- em duas metades iguais
- sintomas indicativos
- há anos atrás
- vereador da cidade
- outra alternativa
- detalhes minuciosos
- a razão é porque
- anexo junto à carta
- de sua livre escolha
- superávit positivo
- todos foram unânimes
- conviver junto
- fato real
- encarar de frente
- multidão de pessoas
- amanhecer o dia
- criação nova
- retornar de novo
- empréstimo temporário
- surpresa inesperada
- escolha opcional
- planear antecipadamente
- abertura inaugural
- continua a per
- comparecer em pessoa
- gritar bem alto
- propriedade característica
- demasiadamente excessivo
- a seu critério pessoal
- exceder em muito .

Note que todas essas repetições são dispensáveis. Por exemplo, 'surpresa inesperada'. Existe alguma surpresa esperada? É óbvio que não.
Pois é queridos, sei que muitos de voces e eu também vez ou outra usamos da tautologia .
Carecemos de atenção quanto a esses vícios de linguagem.
Não revisei o texto portanto, será interessante se alguém conseguir identificar um sintoma tautológico meu,kkkkkkkkk.

Prometo que vou melhorar do meu "dodoi" e manter o blog atualizado.
Muack!!

22 comentários:

Rafael disse...

O engraçado é que o nome Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac, dividido em sílabas poéticas se torna um perfeito verso Alexandrino.

Gosto muito do trabalho dele. Principalmente as crônicas.

Parabéns pelo blog.

Mariana disse...

Aula de História. A língua portuguesa é sim uma das mais belas que existem. E no meu parecer, é uma das mais complexas também.

Melhoras para você.

Ru Correa disse...

Oi, Naninha!
Tudo bem?
Deixei um meme bem interessante pra você no meu blog!

Bom começo de fim de semana pra você!

Té mais!

LUCAS DE OLIVEIRA disse...

gostei do seu blog!
estou linkando vc no meu!
link-me tbem!

abçs

Euzer Lopes disse...

Eu não duvidava de sua capacidade de manter o blog atualizado.
Mesmo doente nos presenteia com este texto...

A NÍVEL DE blog, há MENAS chances de eu PREFERIR MUITO MAIS AGORA DO QUE ANTES...

Parabéns!

o'Ricci disse...

vulgo pleonasmo... foi usado maravilhosamente bem numa peça de teatro da companhia "os Melhores do Mundo".

=*

Harry Potter disse...

Muito tocante!!
muito bom mesmo!
melhoras

*ღ*ღDaniii Pires*ღ*ღ disse...

adorei adorei adorei ...tem coisa melhor q entra em um blog e encontra informações tão preciosas assim??Eu pessoalmente acho q não haha
heimnn é bom q não suma mais mesmo não =] vc tem belas postagens adorei o funfo musical com o Chico tbem =]

beijinhosss milll

ραυℓιинσ_ѕαитιѕтα disse...

É bopm ver blogs que trazem informações de valores para nós..

Thierry disse...

gostrei do desenho do final do poust
:D
www.meusquadrinhos.blogspot.com

Lord Sarubiano disse...

Sem dúvida alguma, um gênio de nossa língua. E uma figura intrigante.

Mayna disse...

Olavo Bilac...
Não se fazem mais poetas como antigamente...
Obrigada pela visita!

http://maynabuco.blogspot.com

Karla Hack disse...

Eu gosto muito do Olavo
A poesia Nel Mezzo Del Camin dele é uma das minhas preferidas...

;D

bjus

Renato Barbosa disse...

Tautologia, interessante ..

Não sabia que havia tantos exemplos ..

Alguns parecem ser comuns e normais .. que aposto que deve haver um monte no meu blog ..

Ex: expressamente proibido .. Nunca imaginaria isso .. kkk ..

So depois que se analisa com calma é que se nota ..

Gostei muito do blog ..

bjs . fui ..
http://renatobarbosa.blogspot.com/

Pk Ninguém disse...

A língua portuguesa quando bem usada é maravilhosa, pena isso estar se tornando uma raridade.

Thiago Lenda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pk Ninguém disse...

Você me deixou curioso quanto a esse poema, vou caçar ele para ler!

Thiago Lenda disse...

Não seja tão cruel, algumas destas que você citou servem para exacerbar a idéia e dar ênfase.

Exclua as regras de hifenização, acentuação e todas excessões de crase que amarei a língua portuguesa, risos, seu blog é ótimo,ou melhor, "óptimo" para combinar com a trilha sonora de chico.

bjs!
Parabéns!

Nana Lopes disse...

Olha o poema completinho!!

Língua portuguesa

Olavo Bilac


Última flor do Lácio, inculta e bela,
És, a um tempo, esplendor e sepultura:
Ouro nativo, que na ganga impura
A bruta mina entre os cascalhos vela...

Amo-te assim, desconhecida e obscura.
Tuba de alto clangor, lira singela,
Que tens o trom e o silvo da procela,
E o arrolo da saudade e da ternura!

Amo o teu viço agreste e o teu aroma
De virgens selvas e de oceano largo!
Amo-te, ó rude e doloroso idioma,

em que da voz materna ouvi: "meu filho!",
E em que Camões chorou, no exílio amargo,
O gênio sem ventura e o amor sem brilho!

Nana Lopes disse...

Olha o poema completinho!!

Língua portuguesa

Olavo Bilac


Última flor do Lácio, inculta e bela,
És, a um tempo, esplendor e sepultura:
Ouro nativo, que na ganga impura
A bruta mina entre os cascalhos vela...

Amo-te assim, desconhecida e obscura.
Tuba de alto clangor, lira singela,
Que tens o trom e o silvo da procela,
E o arrolo da saudade e da ternura!

Amo o teu viço agreste e o teu aroma
De virgens selvas e de oceano largo!
Amo-te, ó rude e doloroso idioma,

em que da voz materna ouvi: "meu filho!",
E em que Camões chorou, no exílio amargo,
O gênio sem ventura e o amor sem brilho!

Hugo disse...

O cara é bom...merece isso e sempre algo mais.

Muito bom passar por aqui, da alegria de ler seus textos...parabéns!



http://endlessblackhole.blogspot.com/

Pedro Ojeda Escudero. disse...

La lengua portuguesa siempre me ha parecido de una hermosura y suavidad atractiva. Cuidadla.
Y no te disculpes por no poder actualizar: aquí estaremos para cuando lo hagas.
Un abrazo.