quarta-feira, 24 de junho de 2015

Capelinha de Melão... A origem


Creio que  quase todo brasileiro tenha memoria afetiva pelas festividades de junho, mesmo nao sendo devoto aos santos.
È um periodo  de  festividade encrustrada no nosso calendario populare na nossa alma foliã .Eu fico encantada com as imagens de decoração feitas para as festas  juninas, principalmente nas festas em homenagem a  Sâo Joao .È costume fazerem pequenos  oratorios  em  melao, decorado com cravo da india, rosa e manjerição  cujo o perfume do conjunto fica muito bom.Segue abaixo algumas sugestoes  de decoração.










 Mas, a origem da canção não esta nessa decoração.Segundo Câmara Cascudo, (
historiador, antropólogo e folclorista) ,o termo capelinha de melão designa um "grupo de foliões dos festejos populares sanjoanenses, ornados de capelas de folhagens, marchando em grupos em demanda do milagroso banho, e de volta em animadoras passeatas. É portanto, um folguedo popular em um pequeno povoado. Em Portugal "capela pode ser uma coroa de flores ou folhas". Como na canção a coroa pode ser de cravo, de rosa ou de manjericão.
Grupos de meninas  Brincantes de Caraúbas 
 Em Caraúbas "a capela" é uma pequena coroa de flores feitas com flores do melão-são-caetano, que eram usados como ornamento nesses folguedos.
A Capelinha de Melão é um Auto popular e é possivel ser  encontrado na praia de Caraúbas no Rio grande do Norte, com cânticos  e danças, realizado na noite de São João. No pastoril se homenageia a Jesus , a capelinha de melão a homenagem é para São Joao e a coreografia se assemelham bastante. Na dança um grupo , assim como no Pastoril ,as moças, em número par, apresentam-se  em um palco ou  ao ar livre, com roupas e sapatos brancos. tendo à cabeça uma capelinha de flores de melão-são-caetano, em torno de um diadema enfeitado com papel crepom. 
Flor de Melao de Sao Caetano 
Melão de Sâo Caetano 

Cada dançarina possui uma tira larga de cetim, ou papel crepom vermelho ou azul, que partindo do ombro esquerdo, termina por um grande laço na cintura. As participantes se dividem em duas alas, entre as quais caminha a Diana, que se apresenta com as faixas azul e vermelha entrecruzadas no busto. Assim como no Pastoril sempre ha a coisa do "cordao azul e encarnado " que remete as batalhas entre mouros e cristaos .Elas cantam e dançam  tendo à mão uma lanterninha com vela acesa e uma bandeirola com a efígie do santo.Acompanhado por orquestra de violão, rabeca e clarineta e por vezes incluem-se  sanfona e pandeiro.





Fontes:
  • Deífilo Gurgel - Danças Folclóricas do Rio grande do Norte-Deífilo Girgel-Gráfica Sul Editora-Natal/RN - 2003
  • Deífilo Gurgel - Espaço e Tempo do Folclore Potiguar-Departamento Estadual de Imprensa-Natal/RN - 2001
  • Luís da Câmara Cascudo- Dicionário do Folclore Brasileiro- EdiOuro Publicações S.A -São Paulo

Um comentário:

Helio Jenné disse...

Adorei o post, Naninha! Belo trabalho de pesquisa.
Abração e muito sucesso! Viva São João!