terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Manuelando..



Deus disse: vou ajeitar você a um dom.
Vou pertencer você para uma árvore.
E pertenceu-me.
Escuto o perfume dos rios.
Sei que a voz das águias tem sotaque azul.
Sei botar cílio nos silêncios.
Para encontrar o azul eu uso pássaros.
Só não desejo cair em sensatez.
Não quero a boa razão das coisas.
Quero o feitiço das palavras.

M.B

4 comentários:

Osc@r Luiz disse...

Puxa vida,

Eu como biólogo nunca vi uma árvore com tantas qualidades.
Prazer, Oscar!
Um beijo, Nana.

Anônimo disse...

Manoel de Barros, a timidez em pessoa (não como o Fernando, é claro) transformou-se em caramujo-flor e levou a sua poesia de inutensílios ao mundo, vasto mundo de Carlos (nosso poeta maior)...E de pensar que era um desconhecido em sua própria terra natal...Parafraseando o Caetano diria: "Gosto do barro no barros, do Pessoa na pessoa e da rosa no Rosa, pois que a poesia está para a prosa assim como o amor está para a amizade".
E Clarice Lispector em Água Viva em sua prosa poética também disse: Pássaros - eu os quero nas árvores ou voando longe de minhas mãos"

Ítalo (Campo Grande-MS, cidade onde reside o nosso Manoel)

Nana Lopes disse...

Oscar,obrigada e volte sempre!!

Nana Lopes disse...

ìtalo!! sou apaixonada por Manoel de Barros,escreve como eu gostaria de pintar,Fernando fala do que sinto,Clarice, desnuda a alma feminina...Bem!!obrigada por suas visitas,me deixam feliz!