domingo, 6 de janeiro de 2008

Hoje é dia de Santo Reis!




Não poderia deixar de revirar minhas lembranças de verão sem pensar nessa festa.
Foi n0 verão de 1973 que eu sai do meu mundinho de Brasília pela primeira vez.
Depois que meus pais vieram de Minas para Brasília em 1964, exceto meu pai, nunca tínhamos voltado por lá. Vários motivos nos impediram. Além do financeiro, a molecada era muito pequena, pouca diferença de idade entre um e outro. Viajar de ônibus com uma trupe assim seria mesmo desgastante.
Vou deixar de lado algumas detalhes pitorescos dessa primeira viagem e me reportar ,mas até a Fazenda dos Coxos.Pertence a minha tia Maria,que carinhosamente é chamada de Mariquinha. È a única parente materialmente rica que já possui. Ela havia herdado aos 20 e poucos anos, muitas e muitas fazendas. O marido, o Velho João Lopes Vianna a deixou riquíssima e com três filhas.Mas isso é uma história à parte.

Vamos a festa de reis.Nessa minha primeira visita a uma fazenda,claro que as descobertas foram incontáveis ,mas vou focar hoje em especial ao reisado. Minhas tias, avó, avô, os empregados, Diva e Angelina,a(primas de minha avó,ou eram de meu avô?velhas e solteironas moravam na fazenda),todos, absolutamente todos estavam empenhados numa arrumação animada.

Tachos de doces ferviam. Galinhas eram sacrificadas no terreiro.
No fundo da casa um pobre porco fazia um escândalo de meter medo. Bicho covarde pra morrer é um porco.
Eu e meus irmãos estávamos ansiosos por essa tal festa. Afinal que horas seria?
Fiz meu primeiro queijo. Minha munheca ficou em petição de miséria. Nunca mais quis espremer um. Acho que minha eterna tendinite no pulso eu adquiri nessa ocasião. (risos).
Doces foram colocados em vidros e compoteiras. Coisa linda de ser ver. Tanta cor. Já provaram doce de goiaba com umbu?Não?Que pena!
Biscoitos que eu jamais imaginaria existir e provar também saiam em profusão do forno incandescente em forma de meia bola. As carnes fritas, foram guardadas em latas grandes. Mas afinal que dia e hora que seria essa festa?Ninguém nos respondia de forma exata...
Passaram-se dois longos dias e nada da festa. Eis que no meio da noite.Acredito que umas duas da madrugada. Ouço música, tambores, violão, rabecas,chocalhos,pandeiros, sanfona,e um jeito estranho de cantar.
Fomos à janela. Eram os convidados. Haviam chegado finalmente!Traziam uma bandeira e entregaram a minha tia. Cantaram muito. Foi lindo. Enquanto isso arrumavam as coisas numa mesa.Eles deram uma pausa pra comer, nós, corremos pra brincar com os instrumentos,tantos,alguns jamais vistos pessoalmente, enfeitados com fitas.
Na época não tinha a noção exata do motivo da festa, mesmo por que apesar de cristã não sou católica,mas sem dúvida aquele realmente um momento tocante e mágico.Hoje é um dia que no pais ainda muitas pessoas simples no interior mantém essa festa viva . Tradições e crenças se misturam. Deixar morrer é perder uma parte de nossa identidade cultural. Este post eu dedico a duas pessoas que eu aprecio muito e que amam e trabalham para preservar a cultura e folclore brasileiro.São eles:
Meu tio,Sebastião Lopes,mais conhecido como "Lopinho" e ao meu ex- professor de cultura brasileira o ator e pesquisador Jorge das Graças Veloso .

Um Beijo grande aos dois!!



Sebastião Lopes-Músico-Professor e luthier.Meu tio querido

7 comentários:

Nil Brito disse...

Naninha,

Esse mundo que vc descreveu hoje é o mundo em que vivo, já que sou de Barretos, norte do estado de São Paulo, quase fronteira com Minas. Temos grandes festivais de Folias de Reis por aqui. Hoje, inclusive, teve uma super festa numa fazenda da região, exatamente como essa que vc descreveu, e que recebe quase 10 mil pessoas! Vc acredita? É uma coisa louca! É comida de graça pra todo mundo, em abundância. São barracões enormes, e frangos e leitoas a dar com pau. Coisa de doido mesmo! Eu fujo disso, não dou conta mais dessa muvuca toda, ainda mais que hoje foi um dia chuvoso. E viva Santo Reis!


abs do nil

Benó disse...

Santo Reis não conhecia mas aqui em Portugal este dia 6 se chama Dia de Reis (dos Reis Magos)o dis em que os Magos chegaram ao Menino e entregaram as suas ofertas.Aqui no Sul cantam-se as Janeiras,à noite, um grupo de mulheres e homens cantam acompanhados de algum instrumento musical: acordéon, guitarra ou ferrinhos, cantigas dedicadas ao Menino Jesus e pedindo também uma oferta para o grupo e depois agradecendo também em verso-

É um hábito que procuramos também não deixar acabar. Ainda esta noite vieram cantar à minha porta.
Apesar do frio que se tem feito sentir por cá, hoje está uma boa temperatura convidando mesmo à noite de "Janeiras"
Eis uma das quadras que normlmente são cantadas:
Boas Festas, boas Festas
Nós aqui as vimos dar
Aos senhores desta casa
Se as quiserem aceitar.

....e por aí fora.
Ah!e também se comem romãs com açucar e vinho do Porto desejando que o ano que está a começar nos dê Prosperidade, Amor e Paz.
Tudo de bom para si.

Murdock disse...

Eu acho que essas festas só acontecem agora em cidades do interior. Nunca vi nenhuma por aqui...

Anônimo disse...

Hoje é o dia do Santo Reis!
Anda meio esquecido / mas é o dia da festa do Santo Reis / Eles chegam tocando sanfona e violão, os pandeiros de fita carregam sempre na mão / eles vão levando, levando o que pode...Hoje é o dia do Santo Reis (Hoje é o dia) / Hoje é o dia do Santo Reis (É o dia da festa) Essa é de outro grande Sebastião, o Tim Maia! Salve Santo Reis e o "seu" Sebastião! Ítalo

Nana Lopes disse...

Ìtalo menino!!
Feliz 2008 especial para você, já que não nos "vimos" por esses dias.
Senti sua falta por aqui!!

Nana Lopes disse...

Nill, delicia são as cidades do interior.
Mur, se um dia tiver oportunidade va´vê uma festa dessas.Memso por curiosidade.Bjs
Benó menina de além mar. Nossa festa tem muito da festa original da "terrinha"

inacio disse...

A cultura não deve morrer. O Brasil é riquíssimo em manifestações culturais, que acabam sufocadas pela cultura de massa. Porém, sobrevivem gloriosamente pelo interior.